domingo, 23 de novembro de 2008

"Liberdade é uma palavra que o sonho humano alimenta, não há ninguém que explique e ninguém que não entenda" (Cecília Meireles)



No Aurélio, no Houaiss, na poesia da Cecília, na pintura de Caspar(*), no simples ato de abrir os braços e lançar um olhar ao que está sob os nossos pés (*) podemos compreender um pouco mais o que é liberdade. Todavia, ao longo dos anos todas as relações que tive me ensinaram uma coisa: queremos possuir, ter, exigimos o que não podemos dar, queremos mais do que necessitamos e isso nos empobrece enquanto ser humano. Dar sem esperar, compartilhar, perdoar, essas atitudes nos libertam e nos fazem melhor, contudo, não é nada fácil chegar a isso e nem sempre chegamos. Esses dias deparei com uma canção fantástica "A maçã" ouvida tantas vezes e que agora faz algum sentindo para mim (me refiro ao momento que vivo). Talvez o convencional não case bem com liberdade, talvez casamento, sistema financeiro, dietas, relógio, celular, sutiã, ciúmes, modismos, entre outras coisas sejam antônimos de liberdade (só não constam dos dicionários como tal..rs). Para perceber o valor da liberdade temos que conhecer a ausência desta. Liberdade é algo que todos buscamos mas que nem sempre conseguimos dar ao outro.

A Maçã
Composição: Raul Seixas / Paulo Coelho

Se esse amor
Ficar entre nós dois
Vai ser tão pobre amor
Vai se gastar...

Se eu te amo e tu me amas
Um amor a dois profana
O amor de todos os mortais
Porque quem gosta de maçã
Irá gostar de todas
Porque todas são iguais...

Se eu te amo e tu me amas
E outro vem quando tu chamas
Como poderei te condenar
Infinita tua beleza
Como podes ficar presa
Que nem santa num altar...

Quando eu te escolhi
Para morar junto de mim
Eu quis ser tua alma
Ter seu corpo, tudo enfim
Mas compreendi
Que além de dois existem mais...

Amor só dura em liberdade
O ciúme é só vaidade
Sofro, mas eu vou te libertar
O que é que eu quero
Se eu te privo
Do que eu mais venero
Que é a beleza de deitar...

Quando eu te escolhi
Para morar junto de mim
Eu quis ser tua alma
Ter seu corpo, tudo enfim
Mas compreendi
Que além de dois existem mais...

Amor só dura em liberdade
O ciúme é só vaidade
Sofro, mas eu vou te libertar
O que é que eu quero
Se eu te privo
Do que eu mais venero
Que é a beleza de deitar...


(*) O viajante junto ao mar de névoa [1818]. Óleo sobre tela de Caspar David Friedrich [pintor alemão / 1774-1840]

(*) Foto tirada no Monte Santiago parte da Sierra Salvada, local conhecido pelo nascimento do Rio Nervion, Orduña / Pais Vasco.

Um comentário:

  1. Liberdade Liberdade.... exatamente é algo que desejamos mas não cogitamos qdo o outro a quer, e mto menos a damos, é um exercício muito humano esse, e tal qual nos é penoso.
    Humano demasiadamente humano, é assim que somos.

    Além de Nietszche que nos faça cia Brecht...rs

    " Há homens que lutam um dia e são bons; Há outros que lutam um ano e são melhores. Há os que lutam muitos anos e são muito bons. Mas há os que lutam toda a vida, e estes são imprescindíveis."

    (Bertold Brecht)

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e comentário. Em breve seu comentário será publicado.

Outras viagens que podem interessar:

Related Posts with Thumbnails